sábado, 7 de abril de 2012

Viña del Mar e Valparaíso - Chile

Viña del Mar e Valparaíso estão à aproximadamente 150 km de Santiago.

Valparaíso é uma cidade portuária e cheia de morros. A impressão é de que são favelas, mas não são. As ruas são cheias de gente e o trânsito é meio tumultuado. Como estávamos de carro, é importante dizer que precisa ter um bom GPS para fazer o passeio dessa forma (por conta própria).




Nosso principal interesse em Valparaíso era conhecer uma das casas do Pablo Neruda e posso dizer que ter conhecido o Museu La Sebastiana foi o ponto forte desse passeio! O ingresso é CLP 3.500 por pessoa e tem uma quantidade limite de visitas por dia.



A casa fica em um morro bem íngreme, chamado cerro Florida. É uma casa muito legal! E contando um pouco da história da casa, quanto o poeta quis comprar uma casa em Valparaíso, ele pediu ajuda para suas amigas Sara Vial e Marie Martner: "Siento el cansancio de Santiago. Quiero hallar en Valparaíso una casita que poseer algunas  condiciones. No puede estar ni muy arriba ni muy abajo. Debe ser solitaria, pero no en exceso. Vecinos, ojalá invisibles. No deben verse ni escucharse. Original, pero no incómoda. Muy alada, pero firme. Ni muy grande ni muy chica. Lejos de todo pero cerca de la movilización. Independiente, pero con comercio cerca. Además, tiene que ser muy barata. Crees que podré encontrar una casa así em Valparaíso?".

A casa encontrada havia sido do espanhol Sebastián Collado, e como ele havia morrido em 1949, a casa estava abandonada. Neruda foi ver a casa e achou até que estava saindo perdendo, pois era praticamente uma casa de escadas e varandas. Mas o certo era que a vista era privilegiada.


O poeta levou mais três anos para terminar a casa e a decorou de forma ímpar. Em 18/09/1961 a casa foi inaugurada e Neruda a batizou de La Sebastiana. 

Em 1973, depois do Golpe Militar, a casa ainda foi saqueada. Em 1991 foi restaurada e em 1997 foi aberto o centro de cultura.

A casa é encantadora e conserva coleções de mapas antigos, pinturas, louças, móveis, caixas de música, entre outros objetos. Sem contar que todos os cômodos possuem uma vista lindíssima, até mesmo o banheiro!!! 







Saindo de Valparaíso fomos em direção a Viña del Mar e é incrível como apenas alguns km modificam o estilo das cidades.


Viña del Mar é uma cidade bonita e moderna. Lembra Camboriú em Santa Catarina.






O mar bem agitado, a praia de areia grossa e um super vento montam o cenário com parte do oceano Pacífico.


Tinha uma feirinha com bastante objetos bacanas na beira mar. O engraçado é que mesmo estando um calor super forte, tinha cachecol, touca e até luva para vender.


Almoçamos em um restaurante italiano chamado La Dolce Vita (Avenida San Martin 640). Eu comi um macarrão a bolonhesa e meu marido comeu um salmão com uma torta de batata gratinada + 02 latinhas de pepsi. A conta saiu cara: CLP 18.700, mas estava muito bom.


E por incrível que pareça, o que mais me marcou deste restaurante foi o banheiro: limpo e super cheiroso! Um brinco só!!!!




Um dos pontos turísticos mais visitados é o relógio de Viña del Mar, muito bonito:




Aqui as duas visitas que eu queria ter feito foram frustadas:


Em primeiro lugar eu queria ter conhecido o Museu Fonck (www.museofonck.cl), que é um museu que exibe peças arqueológicas e tem um moai legítimo da Ilha de Páscoa. Mas a porcaria do GPS mandou a gente para um bairro residencial e saímos totalmente da área central de Viña del Mar. E depois até perguntamos para algumas pessoas e ninguém sabia dizer onde esse museu ficava. Então abortamos a missão.


Seguimos em direção ao Quinta Vergara, que em 1840 foi comprado por Francisco Alvarez; sua mulher, Dolores Pérez, gostava muito de plantas exóticas e começou a cultivar inúmeras espécies em seu jardim. Depois da sua morte, seu filho que era marinheiro, continuou a trazer outras espécies que habitam o jardim.
Hoje o Quinta Vergara é um parque, com um grande jardim, um palácio e um anfiteatro onde são realizados shows. E quando chegamos lá, tinha uma fila enorme e o parque estava fechado... pois ia ter um show naquele dia.


Bom, diante desses dois momentos #fails eu tenho que enumerar algumas questões:


1) É legal estar de carro em uma viagem, porém tem que ter em mente que às vezes essa autonomia que se ganha viajando de carro, pode acabar trazendo pontos negativos, como a questão de não encontrar um endereço...


2) Nas duas cidades, tanto em Viña del Mar como em Valparaíso, o trânsito é bem tumultuado. Eu imaginei que seria fácil andar na cidade, mas não era tão fácil assim. E também foi difícil encontrar lugar para estacionar.


3) Ao fazer uma viagem de carro você TEM que ter um bom GPS e um mapa atualizado. Nosso GPS é da Garmin e na onda de economizar acabamos baixando um mapa para o GPS em um site que não era o da Garmim. E não sei se foi por isso que acabamos sendo enviados para os cafundós quando coloquei o endereço do Museu Fonck... mas não dá para economizar neste tipo de coisa. Pague pelo mapa original e pronto! Não vale a pena se estressar por pouco e perder a chance de ir até uma cidade e não ver um atrativo pelo fato de não ter conseguido achá-lo. 


4) Se eu fosse fazer esse passeio novamente, com certeza eu compraria uma excursão de bate e volta. Com certeza seria chato o fato de ter horários limitados em cada lugar... mas o trânsito dessas duas cidades não é fácil e com mais certeza ainda, eu teria ido nos pontos que eu queria ter visto. 


5) Claro que ir de carro tem suas vantagens e uma delas é o caminho: você passa pela Rota do Vinho de Casablanca, podendo parar e conhecer uma das várias vinícolas. 






Lembrando também que esse trecho e muitos outros possuem praças de pedágio. Aqui pagamos cerca de CLP 6.400 para ida e volta no pedágio.




De maneira geral o passeio até lá foi ótimo, passeamos bastante e vimos uma paisagem diferente. Uma das vantagens do Chile é essa: trazer diferentes visuais numa mesma viagem...




E fica aqui a mensagem que estava estampada em um muro de Valparaíso: "...una vara es muy facil de quebrar..." (até agora tô tentando entender essa frase.... rsrsrs)...

Nenhum comentário:

Postar um comentário